Objetivos científicos do CREDA

O projeto científico do CREDA inscreve-se na renovação do estudo de áreas culturais (area studies) em acordo com dispositivos de pesquisa internacionais (por exemplo redes de excelência de pesquia na Alemanha, como o GIGA, em Hamburgo e na Inglaterra, como o Institute for the Study of the Americas da Universidade de Londres). Entendemos ser esta uma necessidade com relação  ao que certos autores chamam do « retorno da Geografia », dito de outra forma, a importância de configurações sociais localizadas e singulares que só podem ser compreendidas em seu contexto próprio e face a perda de validade de « teorias generalizantes ». Ao mesmo tempo, a queima dos limites, seja a grande divisão Norte / Sul ou das fronteiras nacionais, convidam-nos a não naturalizar essas divisões, mas transgredi-las. A partir da comparação, as abordagens multi-situadas tornam-se indispensáveis e devem ser conduzidas em parceria com pesquisadores internacionais.

Trata-se também, como praticado anteriormente, de utilizar pontos de ancoragem nas Américas para permitir a pluridisciplinaridade nas suas diferentes declinações – a partir de então com o desafio de dialogar com disciplinas fora das Ciências Humanas e Sociais (Ecologia, CPI, Ciências da Terra). Esse desafio impõe vislumbrar a excelência nas diferentes disciplinas representadas em nossa Unidade (Geografia, História, Economia, Ciência Política, Antropologia e Sociologia) para conduzir ao melhor suas colaborações e poder dar em retorno a evolução dessas disciplinas. A pluridisciplinaridade deve ser construída em função dos temas e das problemáticas. Enfim, apesar de nossa Unidade se inscrever em abordagens internacionais, não estudamos as relações internacionais, no sentido das relações entre Estados : trata-se do contrário, estudar as sociedades americanas do interior, frequentemente a partir de uma abordagem 'micro', na sua espessura histórica e, certamente, nas suas dimensões transfronteiriças (migrantes, por exemplo).

O conhecimento especializado sobre as Américas tem também como vantagem oferecer  tanto aos cidadãos como aos responsáveis políticos e econômicos um lugar de concentração da informação e do conhecimento. Esse papel será plenamente desenvolvido com o novo site web da Unidade, os melhoramentos contínuos do funcionamento da Biblioteca Pierre Monbeig e a passagem para o formato digital das edições do IHEAL / CREDA afim de renovar nossa missão de centro de documentação.

A dimensão da Unidade nos parece constituir um bom equilíbrio entre a massa crítica indispensável e as condicionantes de governança de uma estrutura da maior dimensão. Essa situação nos conduz a privilegiar as parcerias e as redes do que empreitadas solitárias. A questão atual é sobre o recrutamento de novos pesquisadores CNRS para fazer frente às saídas previstas em virtude de aposentadoria ao longo do próximo quinquênio (três pesquisadores sobre quatro).

Enfim, a simbiose do laboratório com o Instituto de Estudos Avançados da América Latina (IHEAL) da Universidade Paris 3 Sorbonne Nouvelle permite aos pesquisadores encontrar uma forma de difusão dos conhecimentos nos programas de ensino em nível de Mestrado. Inversamente nossa Unidade oferece aos Doutorandos e Mestrandos a possibilidade de participar de programas de pesquisa, especialmente realizando estágios (inclusive internacionais) o que constitui uma astucia considerável à essas formações.

Uma organização por temas é privilegiada em relação à uma organização por equipes, pois assim os pesquisadores podem participar às diversas temáticas. Não se trata então de um recorte rígido, mas de uma maneira de agrupar os pesquisadores e os doutorandos em torno de questões comuns, sempre partindo de uma perspectiva multidisciplinar. A formação dos doutorando mantém-se como essencial, mas deve mais do que nunca prepará-los para diferentes profissões e não apenas para a pesquisa pública, o que pressupõe fazer do doutorado uma verdadeira aprendizagem facilitando a inserção dos doutorandos em projetos comuns e ajudando-lhes a realizar suas iniciativas.

Sob o plano prospectivo, nos parece que o movimento de criação de centros de pesquisa por áreas culturais irá continuar : ele progride especialmente na América Latina (Brasil, Argentina – criação de um Instituto em Buenos Aires -, Chile). Da mesma forma, a exigência da interdisciplinaridade deverá ser reforçada para superar as aporias disciplinares. No campo das ciências socais, os intercâmbios entre diferentes tradições de pensamento tornam-se cada vez mais importantes para renovar o debate. O CREDA tem um papel à desempenhar nesses três campos.

Para o nosso objeto de estudo, o continente americano, as tendências pesadas e identificadas no volume coletivo dirigido por Carlos Quenan e Sébatien Velut [DO 22] devem prosseguir : uma emergência econômica diferenciada acompanhada de mudanças sociais (reforço das classes médias, mas também identidades particulares das comunidades e das populações), a demanda por recursos naturais continuamente forte, mas podendo serem orientadas a novos produtos, o que acarreta uma mobilidade das atividades e das populações, a continuidade da urbanização/metropolização. As questões ambientais permanecem objetivamente preocupantes, mesmo se elas não se consolidam politicamente. Essas mudanças devem ser lidas em diferentes escalas, nas Américas fortemente conectadas ao resto do mundo por diferentes meios.

Os temas identificados fazem parte dessa lógica de visão prospectiva e atualizam os temas do contrato precedente.